TRATAMENTO DE EFLUENTES: A DIFERENÇA ENTRE DBO E DQO

DBO e DQO

Fonte: https://www.superbac.com.br/blog/dbo-e-dqo/

Diante de uma taxa de crescimento populacional elevada, de 1,3% ao ano, até quando os recursos naturais conseguirão sustentar a população mundial? A poluição, um dos resultados da exploração dos recursos naturais pela população, até quando será considerada “controlada”? A poluição consiste na modificação química, física ou biológica da atmosfera, da litosfera ou da hidrosfera e que pode causar danos à saúde ou à sobrevivência das pessoas e de outros seres vivos, além de provocar a deterioração de materiais.

Por isso, o tratamento de efluentes é um recurso usado por indústrias, empresas e pelo agronegócio para evitar a contaminação das águas (hidrosfera), do solo (litosfera) ou do ar (atmosfera).

Os resíduos e efluentes

O tratamento de efluentes e resíduos é um processo necessário para a preservação do meio ambiente e para evitar problemas judiciais à empresa geradora. O tratamento varia conforme os atributos físicos, químicos e biológicos do material, que é a caracterização dele.

Assim, as propriedades dos materiais dependem do ramo de atividade desenvolvido pela empresa, a operação, a matéria-prima. Para análise dos parâmetros, o efluente é coletado e remetido para um laboratório especializado que o caracteriza e emite um laudo técnico.

A legislação

Existe uma legislação de tratamento de efluentes. O órgão que regulamenta o manejo de efluentes é o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA).

Por meio da Resolução nº 357/2005, o CONAMA definiu parâmetros referenciais para tratar os efluentes. Desse modo, qualquer líquido só pode ser lançado no meio ambiente, de forma direta ou indireta, dentro dessas normas.

Também é interessante consultar a Lei nº 9.433/1997, conhecida como Lei das Águas. Ela fala sobre as variáveis de qualidade da água que recebem os efluentes já tratados. Já o CONAMA nº 430/2011 define parâmetros para o lançamento direto da água no corpo que recebe os efluentes.

Não podemos deixar de falar também na Lei nº 12.305/2010, que determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Ela ajuda no gerenciamento de resíduos e na conscientização sobre os impactos nocivos que eles provocam no meio ambiente.

A caracterização e os parâmetros

O laboratório caracteriza o material conforme suas propriedades e analisa parâmetros como: temperatura, pH, óleos e graxas, materiais sedimentáveis e outras substâncias solúveis.

A temperatura determina a condição térmica de um corpo, ou seja, define o nível de movimentação das partículas dos efluentes. Pode interferir no total de oxigênio dissolvido na água. Quanto mais alta a temperatura, menor o total de oxigênio dissolvido, o que influi no metabolismo de microrganismos existentes na água.

O pH mensura o total de íons positivos de hidrogênio (H+) na solução. Na escala comum, os valores de pH variam entre 0 e 14, sendo que 7 é considerado o valor ideal (nem ácido, nem básico).

Está associado ao nível de pH o conceito de autodepuração, ou seja, a neutralização de cargas poluentes que resultam de diferentes processos biológicos, físicos e químicos. Uma alteração relevante no nível de pH pode interferir no metabolismo dos microrganismos que cuidam da autodepuração da água, gerando problemas.

Além desses, outros parâmetros envolvem elementos e compostos químicos como:

  • nitrogênio e fósforo (aplicados para enriquecer o solo na agricultura);
  • cianetos (usados em indústrias químicas, mineradoras, processamento de metais);
  • metais pesados (antimônio, cádmio, cromo, arsênio, cobre, mercúrio, chumbo e outros);
  • óleos e graxas (usados em indústrias de petróleo e de óleos comestíveis, laticínios, matadouros, oficinas mecânicas, lava-jatos);
  • fenóis (usados para produzir borracha, desinfetantes, tintas, resinas, colas, catalisadores);
  • tensoativos (detergentes, sabões e outros produtos que diminuem a tensão superficial da água).

DBO e DQO

DBO e DQO também são parâmetros analisados pelos laboratórios. Com sua ajuda, mede-se qual o potencial de poluição de fontes em um efluente.

DBO

Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) está associada à concentração de oxigênio que os processos biológicos precisam para degradar a matéria orgânica. Alta DBO significa que existe muita matéria orgânica no efluente. Baixa DBO pode significar que não há poluição, nem microrganismos decompositores. O teste padrão, o DBO5,20, equivale ao oxigênio consumido na degradação do material orgânico, pelo período de 5 dias e a uma temperatura de 20º C.

DQO

Demanda Química de Oxigênio (DQO) se refere à quantidade de oxigênio que os processos químicos precisam para degradar os materiais orgânicos. A DQO alta significa que o material orgânico consome muito oxigênio no processo de degradação.

Deve-se ressaltar que a DQO sempre é mais alta que a DBO, pois a última se refere apenas a materiais biodegradáveis enquanto a primeira se aplica a qualquer matéria passível de oxidação.

O tratamento de efluentes

Os tratamentos podem ser físico-químicos ou biológicos. O que usa processos físico-químicos é destinado a tratar:

  • poluentes inorgânicos;
  • óleos e graxas;
  • metais pesados;
  • matérias orgânicas não-biodegradáveis (tanino, lignina, celulose);
  • sólidos sedimentáveis;
  • sólidos em suspensão por coagulação-floculação;
  • sólidos dissolvidos por precipitação química e formados a partir de oxidação química.

Já o tratamento biológico é recomendado em sólidos voláteis, sejam em suspensão, sejam dissolvidos. É o que acontece, por exemplo, com o tratamento biológico de efluentes industriais, que reduz o percentual de carga orgânica no material.

Vamos analisar alguns exemplos para comparar a aplicação prática de DBO e DQO. Em um sistema de lodos ativados com prolongada aeração, a DBO oferece uma eficiência de remoção muito alta: entre 90% e 95%. Usando coagulação-floculação, no tratamento de esgotos, a DBO oferece remoção com eficiência entre 50% e 75%. A maioria dos sólidos em suspensão é retirada e resta boa parte dos sólidos dissolvidos.

O melhor tipo de tratamento resulta da avaliação de DBO e DQO. Nos casos em que a DQO for igual ou inferior ao dobro da DBO, provavelmente uma boa parte do material orgânico é biodegradável e ele pode ser tratado pelos métodos biológicos tradicionais.

Caso a DQO ultrapasse o dobro da DBO, provavelmente a maior parcela do material não é biodegradável e recomendam-se os métodos físico-químicos (precipitação química e coagulação-floculação).

Portanto, DBO e DQO são parâmetros indispensáveis na hora de decidir qual será o tratamento dado aos resíduos e efluentes. Garantem-se assim a preservação ao meio ambiente e a segurança da população, já que os materiais terão o destino mais apropriado.

Você já sabe: o tratamento de efluentes é responsabilidade do gerador de resíduos. Para que não corra riscos de poluição ambiental e ameaça à saúde das pessoas, o ideal é terceirizar o tratamento de efluentes, delegando essa tarefa a uma empresa especializada. Já pensou nessa proposta para sua organização?

A Tecnoquímica juntamente com seus parceiros pode estudar caso a caso para o melhor tratamento da sua indústria, entre encontato conosco para fazermos uma visita técnica com levantamento de dados e assim mostrar as melhores opções para o tratamento de efluentes.

Adicionar Comentário